O problema é que quem produz jogos educativos pensa que eles devem apresentar uma relação literal do mundo e não deixam espaço para o imaginário criativo.